Em áudio anexado à denúncia feita pela Procuradoria Geral do Rio de Janeiro, Beto Bomba, líder da milícia do Rio das Pedras, revela que quem estava em um segundo carro, de apoio à execução de Marielle, seria o major Ronald Pereira, que recebeu menção honrosa em 2003 na Alerj por indicação de Flávio Bolsonaro